O que encontrar do outro lado da esquina... uma luz, um amor, um sonho, um silêncio, um verbo ou uma conjunção que conecte dois mundos?



terça-feira, 20 de setembro de 2011

Miragem



Na estação de um sonho, os trens chegavam e partiam. E os amores. O seu, ainda imóvel, lhe esperava. Uma pomba cruza as vias férreas. Tenha cuidado. A mulher vê a mulher que corre. Ela tem pressa. Tem um ar angustiado na boca, ar que estorva sua mala. Entra, se senta, olha pela janela. O que você vê? Através do vidro, por atrás da névoa do seu fôlego, emerge uma pomba e outro longo trem também espera, inerte.
Ela se intui, toca os joelhos pontiagudos, nus, dois punhais. Agora está em movimento, vê fugir do alcance de suas pupilas uma sucessão de janelas que passam, uma atrás da outra ; cheira em sequência a fumaça das idéias que passam, uma atrás da outra. Memória na fita. Ela pensa que já tinha visto aquela mulher que olha. Pensa que a mulher pensa que já falta menos para chegar ao seu destino. Olha para o lado direito. Equívoco! As pessoas continuam na plataforma da estação, em pé, esperando, não passam. Pausa. Do lado esquerdo, rítmo do pulso e o último vagão acaba de passar, em sentido contrário, cruzando a ponte entre seus olhos. a mulher que olha a mulher está sentada do seu lado, tem lágrimas com pressa, mas não sabe qual será seu próximo movimento. As mãos cobrem os joelhos, se ferem com punhais. A pomba se olha nas pupilas de ambas mulheres. Beleza calma. Está imóvel. Nao sabem que as três são uma em constante movimento. Elas têm pressa. Finalmente, a pomba alça vôo até o Sol.



2 comentários:

Edmilson Naves disse...

...só posso dizer, que esta lindo, parabéns.

Silencio disse...

Que bom te ver por aqui, entra, senta e vamos tomar um cafezinho!