O que encontrar do outro lado da esquina... uma luz, um amor, um sonho, um silêncio, um verbo ou uma conjunção que conecte dois mundos?



sábado, 12 de novembro de 2011

Encontro Clandestino


Na fronteira da noite espera
a luz que cega um rosto mascarado
Teu desejo ressuscita devorado
pela molhada cova de Quimera

Chicote é a língua que doma a fera
Teu passo firme na neve forjado
apaga as pegadas do gigante Fado
Chega à margem da celeste esfera


Ameaça de paixão destila o gozo
Flutuante em alambique de loucura
Pálpebras esvoaçam com teu toque

Arde a sombra da tua pele impura
Úmida trama que o corpo conhece 
Teu amor desliza pela fechadura



quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Furtivo Rendez-vous

En la frontera de la noche espera
la luz que ciega un rostro enmascarado
tu deseo resucita devorado
por la mojada cueva de Quimera

Fusta es la lengua que doma la fiera
tu paso firme en la niebla forjado
borra las huellas del gigante Hado
llega al borde de la celeste esfera

Amago de pasión destila el goce
flotante en alambique de locura
párpados aletean con tu roce

Arde la sombra de tu piel impura
húmeda trama que el cuerpo conoce
tu amor resbala por mi cerradura

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

domingo, 6 de novembro de 2011

Amor Malfadado



E esfregou sua cabeça na lâmpada mágica e pediu seu último desejo. Queria estar sempre ao seu lado, espionar a intimidade dela, noite e dia, resumindo, ser uma mosca varejeira.
E olhava, olhava e olhava. A puta mosca pousada no azulejo do box do banheiro recebia as gotas de água do chuveiro, nas suas costas. Quando se cansava de olhar sem tocar, voava ao redor do grande corpo pelado da sua musa (Dona Inês), tentando sem sucesso pousar num dos seus mamilos descomunais que tem o aroma do leite com mel quentinho.
Tenta roçar seu monte de Vênus e as patas ficam coladas na superfície peluda, uma armadilha !
Recebe uma chicotada com a toalha molhada. De súbito, um golpe baixo. Perde uma asa e cai no chão. Aos seus pés tenta zumbir e galantear a musa indiferente (Dona Inês). Entao, -com a volubilidade do ser humano-, começa a pensar que talvez seja uma boa idéia voltar a ser homem digno.
Tarde demais. A musa (Dona Inês) era grande, gorda e calçava número quarenta. Não era bela, mas tinha uma pisada forte e decidida.
Esmagamento fatal.