O que encontrar do outro lado da esquina... uma luz, um amor, um sonho, um silêncio, um verbo ou uma conjunção que conecte dois mundos?



terça-feira, 10 de março de 2015

A Rotina e um Amor


(...)
"As almas são incomunicáveis.
Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
Porque os corpos se entendem, mas as almas não."

"Arte de Amar" , Manuel Bandeira


Tu estiveste nas palavras
que chegaram devagar
de um lugar desconhecido,
e encontraram seu refúgio
em um papel em branco
que almejava ser lido.
Tão perfeita e abstrata
em teu vestido de sonhos,
me levaste pela mão
ao paraíso distante.

Tu estiveste em minhas vigílias,
altiva, com os passos firmes
e lampejos de memória.
Beleza dissimulada
com um véu de mistério,
o cheiro de tuas pegadas
acendia meus instintos

invocava à paixao.


Fui guardião do templo
erigido entre tuas coxas,
bebi sedosos segredos
do cântaro do teu ventre
que em espasmos se abria
e devorava minha boca.
Fui teu escravo e senhor
de tantas noites de amor
contigo em minha solidão.

Em meu leito, à meia luz
como fera encurralada
diante de um abismo,
te olhaste nas pupilas,
que despem a tua alma.
À beira da entrega,
o amor pede resgate,
teu abandono revelado
arrebata meu desejo.
Eu me oculto entre teus seios
espalhando as carícias
com as pontas dos meus dedos.

E quando desperte a aurora,
olhem-nos pela janela!
Vou escalar teus montes,
rastejar como a serpente,
enroscar-me em tua cintura
deitar-me sobre teus prados.
Meu prazer aprisionado,
liberta o membro que cresce,
com gotas de puro gozo
sobre a pele que amanhece.
Me derramo em teu corpo
prostrado, apaixonado.
Sussurras em meu ouvido:
nao foder-te é um pecado.
Em silêncio me repito:
amar-te está proibido.
Porém já é muito tarde...


Vou me deitar agora,

me levanto às cinco

sem desjejum na cama.





Nenhum comentário: